Psicologia

Sobre o Programa

O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia é reconhecido pela CAPES (Portaria MEC 1077, de 31/08/2012, DOU 13/09/2012, seção 1, p. 25) e tem como Área de Concentração em Psicologia, sendo esta estruturada em três linhas de Pesquisa: Análise e Evolução do Comportamento, Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações, Psicopatologia Clínica e Psicologia da Saúde. Esta configuração pretende garantir uma formação geral em termos teórico-metodológicos e, ao mesmo tempo, aprofundamento em uma das linhas, conforme a vinculação de cada docente. Visto alterações dinâmicas e indicações da CAPES de alinhamentos ainda mais pertinentes ao perfil do programa, desde 2016 vinha sendo discutida uma nova reorganização de linhas de pesquisa que passará a vigorar em 2018. Nessa nova estruturação as linhas de pesquisa foram ancoradas em pontos centrais que convergem diferentes projetos e produção de conhecimento. Com isso, o programa mantem sua Área de Concentração em Psicologia, com três Linhas de Pesquisa, denominadas: Análise do Comportamento; Saúde: Processos, Avaliação e Intervenção; e, Processos Psicossociais.

 

Histórico

O PSSP teve início em 1999, com o curso de mestrado em psicologia. O início do programa ocorreu em um período em que o curso de graduação em psicologia da PUC Goiás era o único em toda a região Centro-Oeste, exceção feita àqueles já existentes na Universidade de Brasília e CEUB. Os primeiros anos do PSSP foram marcados pela expansão concomitante da oferta de ensino de graduação e especialização em psicologia na região e, como decorrência direta disto, do aumento gradual da demanda por formação em nível de pós-graduação stricto sensu. O PSSP converteu-se em alvo natural desta demanda, sendo os primeiros anos do programa caracterizados por intenso trabalho de orientação, dentre aquelas atividades previstas para a formação de mestres em psicologia.

O processo contínuo de reestruturação levou à atualização das linhas de pesquisa, sempre em busca da consolidação do programa. Com isso, o relativo sucesso da estrutura do programa foi verificado pelo 1) aumento da produção docente qualificada (artigos em periódicos Qualis internacionais e nacionais, livros, capítulos de livros e trabalhos completos em anais de eventos relevantes), e 2) a manutenção de um alto índice de defesas dentro de prazos próximos aos 24 meses regulares para o mestrado, instigou a elaboração de um projeto de curso de doutorado para o programa. O projeto foi aprovado em meados de 2006 e as vagas para doutoramento no PSSP foram abertas no processo seletivo discente de 2007. Com o início do curso de doutorado e o consequente aumento das exigências sobre a estrutura vigente para a plena viabilização do curso, o Colegiado do PSSP deu início a novo processo de reestruturação do programa.

Essa reestruturação foi pautada, até certo ponto, pelo resgate de certos aspectos que eram característicos da proposta original do programa. Assentou-se sobre o entendimento de que o PSSP poderia se organizar mais adequadamente como um Programa com área de concentração geral, sendo as três subáreas tradicionais do Programa convertidas em linhas de pesquisa. Assim, a estrutura do PSSP veio a ser definida por uma área de concentração: Psicologia, e três linhas de pesquisa: Análise e Evolução do Comportamento; Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações; e Psicopatologia Clínica e Psicologia da Saúde. Essa estrutura permitiu um determinado nível de integração entre as linhas, com disciplinas comuns e disciplinas específicas, possibilitando ao discente de uma linha a inserção em disciplinas e projetos das demais linhas de Pesquisa.

Clique aqui para acessar o guia do PSSP – Contém as principais informações referentes a formas de participação ou ingresso e sobre os critérios atuais para realização de Mestrado e Doutorado em Psicologia no PSSP. Em virtude de processo de atualização do programa, alguns critérios podem ser alterados para o próximo ano.

No último triênio (2010-2012), o Programa recebeu nota 4 na avaliação feita pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), fundação vinculada ao Ministério da Educação do Brasil.

Atualizado em 20/05/2017 – CPD/INTERNET