O Curso

A concepção do curso de Engenharia Elétrica da PUC Goiás foi motivada pela carência, no mercado de trabalho, de profissionais com sólidos conhecimentos nas áreas relacionadas à energia elétrica. A Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento (Segplan) possui como meta, em seu mapa estratégico, a ampliação de infraestrutura em aeroportos, rodovias e, sobretudo, energia. A energia elétrica constitui a base do desenvolvimento econômico para Goiás e para outros estados brasileiros. Portanto, faz-se necessária a disponibilidade de profissionais que sejam capazes de atuar em diversas áreas relacionadas à energia elétrica e, visando esta necessidade, o curso de Engenharia Elétrica da PUC Goiás está em constante evolução, com vistas a formar profissionais com excelência para atuação de sucesso no mercado de trabalho.
O Engenheiro Eletricista formado pela PUC Goiás possui uma extensa gama de conhecimentos, nas diversas áreas da Engenharia Elétrica, como preconiza as Diretrizes Curriculares do MEC, mas possui, além disso, um entendimento holístico da sua responsabilidade social, econômica, ecológica e ética perante a sociedade em que atua. Sintonizado com a promessa de aplicar a Engenharia para o bem da humanidade, ele está pronto para continuar aprendendo, desenvolvendo e praticando novas técnicas e tecnologias, sempre a serviço da vida.

Contatos com a Coordenação
Coordenador: Felipe de Sousa Nobre
E-mail da coordenação: felipesnobre@gmail.com
Fone: 3946-1351
Horário de atendimento: Terça-Feira, das 17h às 20h e Quarta-feira, das 17h às 19h

Contatos com a Escola de Engenharia:
Diretor: Fábio Manuel Sá Simões
Secretária: Alessandra Almeida
E-mail da Escola: engenharia@pucgoias.edu.br
secretariaeeng@pucgoias.edu.br
Fone: (62) 3946-1351
Horário de atendimento: das 7h às 21h50min.

 

Diferencial

O curso de Engenharia Elétrica oferecido pela PUC Goiás possui como diferenciais um quadro docente composto, em sua maioria, por mestres e doutores com grande experiência no ensino de Engenharia, associados a um parque laboratorial devidamente equipado, conforme sugerido pelos Referenciais Nacionais dos Cursos de Engenharia.
De toda a carga horária prevista, aproximadamente 30% das aulas são destinadas a experimentos em laboratório, consolidando o ensino por meio de três dimensões: Teoria, Simulação e Prática. Estes diferenciais visam desenvolver, no aluno, competências, habilidades e atitudes que integrarão um profissional de destaque no mercado de trabalho.

Histórico

O curso de graduação em Engenharia Elétrica da PUC Goiás foi criado em 1999 e foi reconhecido pela Portaria do Ministério da Educação nº 1.810, de 21 de junho de 2004.

Inicialmente, o curso era oferecido no turno vespertino, permanecendo ativo neste turno durante 8 anos, com a matriz curricular do primeiro projeto pedagógico do curso. Este projeto contava com uma carga horária um pouco mais extensa que a atual, abordando temas como sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, eletrônica, telecomunicações, sistemas de controle e automação.

Em 2007, a matriz curricular do curso, bem como o projeto pedagógico, foram atualizados e o curso passou a ser ofertado no período noturno. Houve uma expansão crescente do número de vagas ofertadas semestralmente, devido a alta demanda de alunos para o curso. A nova matriz curricular, com menor carga horária, mas ainda obedecendo os Referenciais Nacionais dos Cursos de Engenharia, manteve o contexto profissionalizante nas áreas de energia, automação e telecomunicações.

Os cenários anteriores foram estabelecidos em um modelo organizacional de departamentos na então Universidade Católica de Goiás.

Atualmente, o modelo de gestão e organização dos cursos de graduação da PUC Goiás é baseado em escolas. Dessa forma, a Engenharia Elétrica integra a Escola de Engenharia da PUC Goiás juntamente com outros cinco cursos de Engenharia.

Formação Científico-Tecnológica

A formação tecnológica do aluno do curso de Engenharia Elétrica possui conformidade com as Diretrizes Curriculares Nacionais, que estabelecem que a formação do engenheiro deve dotar o profissional dos conhecimentos requeridos para o exercício das seguintes competências e habilidades gerais:

  • aplicar conhecimentos matemáticos, científicos, tecnológicos e instrumentais à engenharia;
  • projetar e conduzir experimentos e interpretar resultados;
  • conceber, projetar e analisar sistemas, produtos e processos;
  • planejar, supervisionar, elaborar e coordenar projetos e serviços de engenharia;
  • identificar, formular e resolver problemas de engenharia;
  • desenvolver e/ou utilizar novas ferramentas e técnicas;
  • supervisionar a operação e a manutenção de sistemas;
  • avaliar criticamente a operação e a manutenção de sistemas;
  • comunicar-se eficientemente nas formas escrita, oral e gráfica;
  • atuar em equipes multidisciplinares;
  • compreender e aplicar a ética e responsabilidade profissionais;
  • avaliar o impacto das atividades da engenharia no contexto social e ambiental;
  • avaliar a viabilidade econômica de projetos de engenharia;
  • assumir a postura de permanente busca de atualização profissional.
Formação Crítico-Humanística

A proposta curricular do curso de Engenharia Elétrica foi elaborada em sintonia com as Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de engenharia, as quais preveem um egresso que possua formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, capacitado a absorver e desenvolver novas tecnologias, estimulando a sua atuação crítica e criativa na identificação e resolução de problemas, considerando seus aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais, com visão ética e humanística, em atendimento às demandas da sociedade.

Mercado de Trabalho

O Engenheiro Eletricista é habilitado para atuar em:

-        concessionárias de energia nos setores de geração, transmissão ou distribuição. O engenheiro eletricista planeja, supervisiona e executa projetos nas áreas de eletrotécnica, relacionadas à potência da energia;

-        construção e aplicação de sistemas de automação e controle em linhas de produção industrial, no desenvolvimento de componentes eletroeletrônicos, na operação e manutenção de equipamentos em hospitais e clínicas e em projetos de instalações elétricas em indústrias, comércios e residências;

-        projetos, manutenção e instalações industriais, comerciais e prediais, atendendo às necessidades de implantação, funcionamento, manutenção e operação dos sistemas;

-        definição do potencial energético de bacias hidrográficas, eficientização de sistemas energéticos, conservação de energia, fontes alternativas e renováveis de energia;

-        simulação, análise e emulação de grandes sistemas por computador; na fabricação e na aplicação de máquinas e equipamentos elétricos;

-        além das concessionárias de energia, o profissional com essa graduação encontra emprego em empresas de telecomunicações (desde fábricas de celulares até operadoras de sistemas de comunicação), indústrias de equipamentos, automação, fábricas de motores e geradores, consultorias ou em empresas prestadoras de serviços em computação;

-        Atividades acadêmicas em instituição de ensino e pesquisa.