O Curso

O curso de Engenharia de Alimentos da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás) forma bacharéis que poderão atuar em atividades relacionadas ao acondicionamento, à preservação, ao processamento, ao transporte e ao abastecimento de produtos alimentícios, seus serviços e correlatos.

Contatos com a Coordenação: Profª Msc. Fernanda Dias Silva
Coordenador (a): Profª Msc. Fernanda Dias Silva
e-mail da coordenação:
Fone: 3946 1317
Horário de atendimento: Matutino

Contatos com o Departamento:
Diretor (a): Prof. Msc. Fábio Manoel Sá Simões
Secretária: Alessandra Pereira de Almeida
e-mail do Departamento:
Fone: 3946 1351
Horário de atendimento: Integral

Diferencial

Além de um quadro de professores comprometidos e competentes, o curso de Engenharia de Alimentos da PUC Goiás possui uma estrutura única de laboratórios e plantas piloto. Tem equipamentos e materiais considerados os melhores na região Centro-Oeste, que capacitam os alunos a ingressarem com competência no mercado de trabalho. O curso prima pelo ensino, pesquisa e extensão e prevê o desenvolvimento de atividades de complementação visando uma melhor qualificação profissional. São promovidos durante a graduação cursos de extensão, palestras, semanas acadêmicas, entre outras, além de atividades de pesquisa em diversas áreas de atuação do mercado alimentício.

O curso recebeu, em 2014, nota 4 do Ministério da Educação (MEC), numa escala que vai até 5.

Histórico

A implantação do curso de Engenharia de Alimentos foi realizada a partir da necessidade apontada pela pesquisa “Subsídios para a implantação de cursos de terceiro grau na Escola Técnica Federal de Goiás”, realizada em 1991 pelo Instituto Euvaldo Lodi (IEL). Os resultados desta pesquisa indicaram a necessidade de profissionais especializados no setor Agroindustrial. A época, coube à equipe de Química, do Departamento de Matemática e Física (MAF), o planejamento e a elaboração da Proposta Acadêmica para a o bacharelado em Engenharia de Alimentos. Há mais de 10 anos, foi o primeiro de seu gênero criado no Centro-Oeste e no Estado de Goiás e antecedeu os cursos, hoje também oferecidos pela PUC Goiás, de bacharelado em Nutrição e tecnólogo em Gastronomia. O primeiro vestibular ocorreu em 1997 e foram aprovados 60 alunos. Atualmente, o processo seletivo é realizado semestralmente e oferece 50 vagas por concurso. Os alunos aprovados seguem a matriz curricular 2007/1. Em agosto de 2003, o curso foi reconhecido, após avaliação do Ministério da Educação (MEC) e, posteriormente, em 2010, com a visita in loco dos avaliadores do MEC, obtendo nota 4 em uma escala de 1 a 4.

Participa do Vestibular Social da universidade, que oferta bolsas de 50% na mensalidade, até o final da graduação.

Formação Científico-Tecnológica

O profissional formado pelo curso de Engenharia de Alimentos pode ser responsável por diversas áreas, entre elas a produção, devido aos conhecimentos dos processos tecnológicos e dos equipamentos envolvidos na industrialização dos alimentos. Na área de gestão, atua desde a recepção da matéria prima até o produto acabado. Atua na pesquisa e desenvolvimento de novos produtos alimentícios e no planejamento e projeto industrial. Também é o profissional requisitado para o gerenciamento e administração da indústria como também no setor de marketing e vendas. Pode atuar na área de armazenamento visando evitar perdas e manter a qualidade desde a matéria prima até o produto final, bem participar em empresas de consultorias.

 Formação Crítico-Humanística

O curso de Engenharia de Alimentos da PUC Goiás pretende formar profissionais comprometidos ética e solidariamente com todos os segmentos da sociedade; dotados de conhecimentos científicos e tecnológicos que lhes permitam atender ao mercado, respeitando tanto a realidade econômica e financeira do setor produtivo quanto às exigências crescentes da sociedade, em termos de qualidade, valor nutricional, vida útil e praticidade dos alimentos, consciência ecológica e respeito ao meio ambiente.

Mercado de Trabalho

O bacharel em Engenharia de Alimentos poderá atuar em várias áreas, entre elas:

 - Produção: Atua no aproveitamento dos recursos disponíveis no sentido de utilizar melhor o processo para a transformação da matéria prima em produto (alimento) industrializado;

- Gestão e tratamento de resíduos: Permite ao profissional desenvolver, planejar e montar programas e laboratórios para Controle de Qualidade, bem como organizar, implementar e gerenciar Sistemas da Qualidade, treinando equipes para essa atividade;

- Pesquisa e Desenvolvimento de Novos Produtos Alimentícios: Utiliza seu conhecimento em matérias primas, processos e equipamentos, fornecendo os subsídios necessários para o lançamento de um novo produto e propondo argumentos de vendas e bases para os cálculos de custos;

- Planejamento e Projeto Industrial: O engenheiro de alimentos é essencial na definição dos processos, equipamentos e instalações industriais, bem como no estudo da viabilidade econômico-financeira do projeto;

- Gerenciamento e Administração e Setor de Marketing e Vendas: Devido a sua visão global do sistema, organização e planejamento de uma indústria e aos conhecimentos específicos na área;

- Fiscalização de Alimentos e Bebidas: Atua em órgãos governamentais no âmbito municipal, estadual, e federal;

- Armazenamento: Atua no desenvolvimento de programas que utilizam técnicas mais adequadas para evitar perdas e manter a qualidade da matéria prima até a sua industrialização ou consumo in natura.

- Consultoria: Devido a sua experiência em processos tecnológicos, padrões de qualidade, normas e legislação sanitária e padrões para exportação de produtos, podem desempenhar funções de consultorias independentes e participação em empresas;

- Responsável Técnico: Atua junto às indústrias de produtos de origem animal ou vegetal.